Por que ainda não passei pela transição capilar (e quando penso em encará-la)?

Camila Nunes cabelo

Bom, hoje eu vim falar um pouco da minha relação com meu cabelo alisado, um cabelo quimicamente tratado.

Por muitos anos enfrentamos um padrão em que para nós – mulheres negras – sermos aceitas, o ideal era ter cabelos lisos. Mas, com o passar do tempo e com o reconhecimento de nossas origens e características, chegou o processo de transição capilar, que nada mais é do que o momento em que a pessoa para com os procedimentos de alisamento e deixa o cabelo natural crescer.

Eu, Camila, ainda não passei por esse processo e é por isso que hoje estou aqui para falar um pouco da minha relação com meu cabelo. Desde pequena eu aliso os fios: no começo era, sim, algo imposto e se eu disser que não, estarei mentindo.

Camila Nunes

Mas, hoje, não mais. Hoje, eu aliso meu cabelo por escolha. Passei pelo processo de autoaceitação como mulher negra. Mas, não foi o meu cabelo que me fez reconhecer minhas origens e raízes – elas já falam por si só quando ainda vivemos em um país tão racista.

Mas, sem entrar nesse assunto, quero dizer que eu sou feliz com minha escolha, mas também estou disposta a um dia passar pelo processo de transição, pois acredito que a vida é feita de fases, e essa fase um dia vai chegar – e eu pretendo viver intensamente cada etapa. Sei que será algo totalmente novo, mas se o meu coração e o meu “eu” estiverem decididos e dispostos, tudo será um processo de grande experiência e aprendizado.

Camila Nunes embaixadora

O que eu quero dizer com isso é que na vida nossas decisões têm que estar alinhadas com o nosso querer, com a nossa vontade, afinal, temos a liberdade e o direito de escolha. Hoje, eu faço a escolha de alisar, porém amanhã eu posso querer deixar meu cabelo ao natural.

Manter os fios alisados também diz muito sobre a minha liberdade. Em meio a todo esse movimento, apostar na química, às vezes, é visto como algo ruim. Tem pessoas que ainda não compreendem a liberdade de escolha e querem impor algo, como se apenas o meu cabelo fosse dizer quem eu sou enquanto mulher negra.

Camila Nunes salon line

Mas, acredito que esse pensamento, esse discurso, vem se desfazendo a cada dia e todos estão aprendendo, respeitando e compreendendo a escolha de cada um.

Bom essa é pouco da minha relação com meu cabelo alisado e como enxergo a transição capilar. E você, como encara o seu cabelo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhe essa Notícia